Pe. Ludovico Pavoni – Vida e Obras

Ludovico-PavoniLudovico Pavoni nasceu em Bréscia (Itália) no dia 11 de setembro de 1784, de pais nobres e ricos, de família bem sucedida, que o educaram na fé cristã, evitando que tornasse futuramente um jovem-senhor sonhador, sem um ideal de vida.
Revela-se imediatamente um adolescente vivo e inteligente, com particular interesse pela pintura, caça, cavaleiro, mecânica e sensível aos problemas sociais.

Foi ordenado sacerdote em 1807, dedicando-se imediatamente a uma intensa atividade catequética, fundando seu próprio Oratório para a educação cristã dos jovens mais pobres, que não tinham vez de participar em outros Oratórios por causa da própria indigência. Assim pôde criar modernos centros educativos abertos o dia todo para as crianças e jovens mais pobres.

Em 1812 foi nomeado Secretário do Bispo Dom Gábrio Nava, que lhe deu a possibilidade e o apoio de continuar dirigindo o seu Oratório, que não parava de crescer. No ano de 1818 foi nomeado Cônego da Catedral de Bréscia e o Bispo o autoriza a dedicar-se a tempo integral à fundação de um Instituto beneficente, anexo ao “Colégio de Artes”, que a partir de 1821 se chamará “Pio Instituto São Barnabé”, para adolescentes e jovens pobres e abandonados. Depois abriu-se uma sessão para os deficientes auditivos.

Nos trinta anos seguintes, Ludovico Pavoni:

  • desenvolve seu “Método educativo”, que o coloca entre os primeiros pedagogos do seu tempo (compreensão, amor, prevenção, dimensão cristã, valor do trabalho: elementos que serão retomados e desenvolvidos por Dom Bosco);
  • organiza um modelo de instrução e de trabalho que antecipa a organização das atuais escolas profissionais;
  • inícia uma crescente atividade tipográfica e editorial, antecipando o atual apostolado dos meios de comunicação;
  • introduz no mundo do trabalho reformas e novidades que antecipam, em certo modo, a doutrina social da “Rerum Novarum” (dignidade no trabalho, salário familiar, assistência aos doentes, demissão somente por causa justa e com aviso-prévio, participação dos empregados nos lucros das fábricas);
  • dá início, enfim, à Congregação dos Filhos de Maria Imaculada (Pavonianos), que nasce com uma inspiração tão audaciosa (Religiosos Operários), que deixa as autoridades civis e religiosas com uma certa perplexidade (Sacerdotes e Religiosos leigos colaborando com uma mesma dignidade e responsabilidade, como educadores da fé, mestres na arte e de humanidade).

Ludovico Pavoni faleceu 1° de abril de 1849 em Saiano, perto de Bréscia, vítima heróica da sua entrega para salvar os seus rapazes dos perigos do combate entre os habitantes da cidade e o exército austríaco, durante a insurreição conhecida, na historiografia italiana, como “Os dez dias de Bréscia”. A Igreja reconheceu suas virtudes heróicas e o apresentou como modelo de vida cristã, no dia 5 de junho de 1947. Beatificado pelo Santo Padre, o Papa o João Paulo II, no dia 14 de abril de 2002, na´praça de São Pedro. Sua festa litúrgica é celebrada a 28 de maio.